Tóquio 2021 acende tocha olímpica com hidrogênio pela primeira vez, e promete Olimpíada sustentável

Para as Olimpíadas de Tóquio 2021, oito novas sedes foram construídas e mais de 11.000 atletas (além de vários espectadores) voarão para o Japão para participar dos jogos.


O comitê das Olimpíadas apresentaram algumas iniciativas para reduzir o impacto ambiental do grande evento esportivo, sendo algumas das quais estão em andamento há anos.


Com início na sexta-feira, 23 de julho de 2021, os Jogos de Tóquio 2021 consideraram a sustentabilidade desde o início.


“Desde o início, Tóquio tem se dedicado a aproveitar as oportunidades oferecidas por sediar os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos para ajudar a construir uma sociedade mais sustentável”, disse Yuki Arata, diretor sênior de sustentabilidade do comitê organizador dos Jogos Olímpicos.


Os jogos de Tóquio também têm um slogan de sustentabilidade: "Sejamos melhores, juntos - Para o planeta e as pessoas."


“Tomaremos a iniciativa de cumprir a responsabilidade de oferecer jogos sustentáveis ​​e apresentar modelos de solução de desafios globais de sustentabilidade para as pessoas no Japão e em todo o mundo”, diz uma declaração na página de sustentabilidade do site oficial Tóquio 2021.


Acesa pela atleta de tênis japonesa Naomi Osaka, a tocha no Estádio Nacional de Tóquio e outro caldeirão queimando ao longo da orla marítima perto da Baía de Tóquio durante os jogos foram sustentados em parte por hidrogênio, a primeira vez que a fonte de combustível foi usada para acender a tocha olímpica.


As tochas anteriores geralmente funcionavam com propano, embora magnésio, pólvora, resina e azeite de oliva também tenham sido usados ​​desde que o primeiro caldeirão moderno foi aceso para os Jogos de Amsterdã em 1928.


Ao contrário do propano, o hidrogênio não produz dióxido de carbono quando queimado. O caldeirão de Tóquio foi abastecido com hidrogênio produzido por uma fábrica na prefeitura de Fukushima que funciona com energia renovável.

Notícias em destaque